segunda-feira, 24 de março de 2014

CURIOSIDADES

O QUE É A FLOR DE MARACUJÁ?


A Flor de Maracujá significa a Paixão de Cristo, por isso, é também conhecida como “Flor da Paixão”.
Quando os missionários europeus chegaram à América, se encantaram com a exuberância da flor e associaram de imediato alguns dos seus elementos ao calvário de Cristo. Por esse motivo a flor de maracujá também significa "Coração Ferido".
A simbologia da flor de maracujá foi relacionada da seguinte forma: os três estigmas correspondiam aos três cravos que prenderam Cristo na cruz; as cinco anteras representavam as cinco chagas; as gavinhas eram os açoites usados para o martirizar; por fim, no formato da flor era visível a imagem da coroa de espinhos levada por Cristo para o ato de crucificação.

Os tons de roxo que colorem a flor simbolizam o sangue derramado por Jesus Cristo. Aliás, a cor roxa é usada nos rituais cristãos durante a Semana Santa. A história conta que no século XVII o Papa Paulo V ficou maravilhado quando recebeu flores de maracujá de presente e que ordenou que fossem cultivadas em Roma. As flores que tinham vindo da América do Sul, foram um sinal para o Papa que o Evangelho era também para ser espalhado no "Novo Mundo".

No simbolismo religioso, o formato redondo do fruto maracujá corresponde ao mundo de pecado que Cristo deu a sua vida para o salvar.
Em outras línguas, o maracujá é conhecido como o “fruto da paixão”: passion fruit (em Inglês), fruit de la passion (em Francês), fruta de la pasión (em Espanhol)...

O maracujá pertence ao gênero de plantas Passiflora. Em tupi-guarani, o termo “maracujá” significa “alimento dentro da cuia”. O Brasil é o maior produtor mundial de maracujá-amarelo, porque aqui esta planta encontra condições ideais para crescer, o que explica o fato de existirem no Brasil mais de 150 espécies conhecidas.

O perfume Hypnôse da Lancôme, bastante popular no mercado, apresenta o aroma de frutas cítricas, flor de maracujá, vetiver e baunilha.


http://www.significados.com.br/flor-de-maracuja/

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

LEUCOFILO






NOME CIENTÍFICO: Leucophyllum frutescens.   
NOME POPULAR: Leucofilo, Folha-de-prata, chuva-de-prata,Texas Sage.

FAMÍLIA: Scrophulariaceae.
CICLO DE VIDA: Perene.
ORIGEM: Estados Unidos e México.                                                           
PORTE: 1,50  a 2,50 metros de altura.






FOLHAS: Cinza-prateadas, bastante ornamentais.
FLORES: Solitárias em forma de sino, com cinco lobos . Florescem praticamente durante o ano inteiro, mas principalmente na primavera.
A espécie arbustiva é originária do Deserto de Chihuahua, na América do Norte, com folhagem e florescimento ornamentais. As folhas são ovais e onduladas, com pubescência prateada, dando-lhes um aspecto de feltro. As flores são solitárias, tubulares e podem ser de cor branca, rosa, roxa ou azul, de acordo com a variedade. O florescimento ocorre após as chuvas de verão.


LUMINOSIDADE: Sol pleno.
ÁGUA: Suporta solo seco, podendo ser regada apenas uma vez por semana.
CLIMA: Quente e seco.




A planta é de baixa manutenção e sua beleza pode ser igualmente aproveitada, em diversos estilos de jardim, pois é um arbusto muito versátil. Pode ser plantada isoladamente, em grupos ou em renques,  cercas-vivas e vasos, oferecendo um belo visual no jardim, devido à sua tonalidade prateada.
É uma planta que quase não necessita de podas, pois seu crescimento é lento. Ainda assim, as podas eventuais são importantes para manter a planta compacta e com bom aspecto.
Em jardins mais secos, a folha-de-prata tende a adquirir uma forma mais densa e nos jardins mais úmidos, sua ramagem se torna mais esparsa. Pode ser plantada em vasos também.
Seu cultivo deve ser em solos drenáveis, com pH levemente alcalino e irrigado de forma esparsa.
É tolerável ao frio, à estiagem e à maresia. As plantas mais jovens devem ser regadas duas vezes por semana, já as estabelecidas devem ser irrigadas apenas semanalmente no tempo muito seco.
Aprecia o calor. Não é necessário fertilizá-la, pois aprecia solos pobres. No entanto, a reaplicação de calcário anualmente favorece à planta. Não devem ser plantadas em locais encharcados, pois apodrece facilmente suas raízes.                         
UTILIZAÇÃO: Como planta isolada, cercas-vivas e vasos. Vai bem em plantações a beira-mar.



PROPAGAÇÃO: Sua multiplicação se faz por sementes e por estacas semilenhosas, postas a enraizar no final do verão, em substrato leve e drenável e mantido úmido.
http://www.plantasonya.com.br/cultivos-e-cuidados/chuva-de-prata-leucophyllum-frutescens.html

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

AMARYLLIS





  •      Nome Científico: Hippeastrum hybridum
  •          Nomes Populares: Amarílis, Açucena, Flor-da-imperatriz
  •          Família: Amaryllidaceae
  •          Categoria: Bulbosas, Flores Perenes
  •          Clima: Equatorial, Oceânico, Subtropical,Tropical
  •          Origem: América Central, América do Norte,América do Sul, México
  •          Altura: 0.3 a 0.4 metros, 0.4 a 0.6 metros, 0.6 a 0.9 metros
  •          Luminosidade: Meia Sombra, Sol Pleno
  •          Ciclo de Vida: Perene
 
O amarílis é uma planta herbácea e florífera apreciada no mundo todo. Ela é originada do cruzamento entre diferentes espécies de Hippeastrum tais como H. reginae e H. vittatum, entre outras. Os holandeses foram os principais responsáveis pelo seu melhoramento genético, criando uma nova classe de plantas híbridas que fazem muito sucesso. Os amarílis possuem flores cônicas, simples, dobradas ou semi-dobradas, grandes, belíssimas e em uma enorme variedade de cores, com diversas nuances e mesclas de vermelho, laranja, branco e rosa, além de variedades de cores raras com flores de cor verde, vinho e salmão. Sua folhagem é também bastante ornamental, com folhas carnosas e lineares que surgem diretamente do bulbo, um órgão de reserva que guarda a energia da planta em folhas especiais, sobrepostas em camadas.



 Na maioria das vezes seus bulbos são plantados em vasos, porém podemos formar maciços e bordaduras como se faz com as tulipas.

É bastante exigente em fertilidade, irrigação e drenagem. Seu substrato deve conter boa quantidade de matéria orgânica.



Deve ser cultivado sob sol pleno ou meia sombra e se adapta a diversos tipos de clima, desde equatoriais a temperados. Dependendo do híbrido e do clima, as folhas podem desaparecer durante o inverno, e neste caso, as regas devem ser reduzidas até o secamento das folhas da planta. Assim, em inverno frios e secos, a planta entra em dormência e prepara-se para a nova floração. No início da primavera as flores despontam antes mesmo das folhas, de uma forma tão rápida e espetacular que impressiona.











Os amarílis são rústicos e fáceis de cultivar. É possível fazê-los florescer em qualquer época do ano, basta guardar os bulbos dormentes na gaveta de legumes da geladeira, em sacos fechados, e replantá-los apenas quando desejar. Multiplicam-se por sementes, divisão de bulbos (estaquia) e mais facilmente por separação dos bulbos que se formam naturalmente entorno da planta mãe.

CUIDADOS BÁSICOS:

Regar uma vez a cada 5 dias, uma xícara de água. A planta pode ficar em local com bastante luz, com algumas horas de Sol direto. Quando em local escuro a planta tende a crescer muito antes de florescer.

Embora seja uma planta que necessita de muito sol para crescer saudável e pode ser criada a pleno sol, durante sua floração pode ter as pétalas queimadas pelo sol a pino e assim não ficar tão vistosa, aconselha-se posicioná-la em lugares que era receba muito sol o dia todo, porém que esteja coberta do sol do meio dia.

É uma planta que não tolera bem variações climáticas extremas durante o inverno, logo durante invernos rigorosos tenha o cuidado de garantir que ela tome bastante sol, porém pouco vento gelado.
Aconselha-se utilizar solo fértil e de boa drenagem, os fungos criados pelo excesso d’água, mesmo que poucos, causam apodrecimento dos botões das flores e, em situações graves, podem matar a planta. Utilize terra vegetal adubada misturada a areia grossa ou outras estruturas de boa drenagem (como lascas de madeira) para melhorar a drenagem dos vasos.

Dica: após o florescimento, corte a haste até 1 cm acima do bulbo e plante-o no jardim ou em um vaso com terra nova. Na primavera florescerá novamente.







sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Pêssegos!!


Frutas da época 





Mudas de pêssego enxertadas, com altura 1,50m, já produzem, frutos de boa qualidade.

terça-feira, 17 de setembro de 2013

Palmeira Azul – Bismarckia nobilis


  • Nome Científico: Bismarckia nobilis
  • Sinonímia: Medemia nobilis
  • Nomes Populares: Palmeira-azul, Palmeira-bismarckia, Palmeira-de-bismarck
  • Família: Arecaceae
  • Categoria: Palmeiras, Plantas Esculturais
  • Clima: Equatorial, Mediterrâneo,Subtropical, Tropical
  • Origem: Madagascar
  • Altura: acima de 12 metros
  • Luminosidade: Sol Pleno
  • Ciclo de Vida: Perene
Esta palmeira apresenta estipe único, com diâmetro entre 30 a 45 cm, e alcança 25 metros de altura, embora geralmente não ultrapasse 12 metros. As folhas são grandes, eretas, cerosas, em número de 15 a 20, com formato de leque, palmadas, de cor azul prateada e sustentadas por fortes pecíolos. Quando as folhas velhas caem, deixam uma marca no tronco, que fica anelado. 













A floração ocorre na primavera, despontando inflorescências interfoliares, pendentes, ramificadas e com numerosas flores de cor marrom. As flores são menores e mais abundantes nos machos do que nas fêmeas. Para produzir sementes férteis é necessário ter as plantas dos dois sexos próximas para que a polinização ocorra. Os frutos são do tipo drupa, ovóides e de cor marrom escura a preta quando maduros. Cada fruto contém uma única semente.



De uma beleza espetacular, essa palmeira exótica é avidamente procurada por paisagistas e entusiastas para suas composições. Seu efeito é escultural e impactante, tornando-se invariavelmente, um ponto focal no jardim. E o mais interessante, é que a planta jovem já é capaz deste efeito, pois sua copa é bastante ampla mesmo com pouca altura. Ideal para jardins amplos, contemporâneos ou tropicais. Também pode ser cultivada em grupos ou linhas, com excelente efeito. Para o seu desenvolvimento e apreciação, precisa de espaço de no mínimo 8 metros de diâmetro. A mesma medida deve ser tomada para espaçamento entre mudas.
Deve ser cultivada sob sol pleno, em solos bem drenáveis, enriquecidos com matéria orgânica e irrigados regularmente. Após o pleno estabelecimento é capaz de tolerar períodos de estiagem. Mesmo assim, recomenda-se a irrigação suplementar, que estimula o rápido crescimento desta espécie. Ao contrário da maioria das palmeiras, a palmeira-azul pode ser conduzida sob sol pleno mesmo que seja jovem.

Aprecia o clima tropical e o subtropical, adaptando-se a ambientes úmidos ou secos. Também suporta as geadas e o fogo, podendo ficar queimada, mas rebrotando em seguida. Pouco tolerante a transplantes depois de adulta. 
Prefira transplantar mudas jovens e evite ao máximo mexer nas raízes. Multiplica-se por sementes oriundas de frutos recém colhidos e despolpados, plantadas em seguida em saquinhos contendo substrato arenoso e mantido úmido. A germinação ocorre entre 6 a 8 semanas.
Categorias: Diretório de Plantas